quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

FELIZ DIA DO PALHAÇO!


Aos Palhaços nossos singelos abraços!
Nossa homenagem...parabéns!!!

Foto: Dani Oliveira
Palhaça Josefina Flamini

terça-feira, 3 de novembro de 2009

PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE PALHAÇOS PARA JOVENS


Estão abertas as inscrições para a quarta turma do Programa de Formação de Palhaço para Jovens, dos Doutores da Alegria.


O Programa inclui disciplinas como Palhaço, Técnicas Circenses, Expressão Corporal, Cultura Popular, Música, Improviso, Jogo

Cênico, Máscaras Teatrais, Elaboração de Projetos Culturais/ Sustentabilidade, etc.
A seleção para o Programa de Formação para Jovens e a participação na formação não significa que o jovem fará parte do elenco dos Doutores da Alegria.

Etapas da seleção:

1 - Análise de currículo e carta de intenção,

2 – Entrevista,

3 - Aulas Práticas

Para mais informações: (11) 3061-5523 ou

fpj@doutoresdaalegria.org.br

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Programa de Intercâmbio e Difusão Cultural - Edital nº 2/2009

O Ministério da Cultura divulga o segundo edital de 2009 do Programa de Intercâmbio e Difusão Cultural, que cobrirá as viagens a se realizarem de julho de 2009 a abril de 2010, para as quais serão disponibilizadas, no total, R$1,9 milhão, do Fundo Nacional da Cultura (FNC). O programa se destina a artistas, técnicos e estudiosos da área cultural, convidados a participar de eventos fora do seu local de residência, para apresentar trabalho próprio, fazer residência artística ou curso de capacitação de profissionais da cultura. O evento deve ser promovido por instituição brasileira ou estrangeira, de reconhecido mérito, desde que não seja apoiado ou realizado pelo Ministério da Cultura, ou por uma de suas instituições vinculadas.

As inscrições variam de acordo com o mês em que se realizará a viagem (ver calendário abaixo). Em Brasília, os interessados que não tiverem acesso à internet podem se encaminhar à sede do MinC na Esplanada dos Ministérios, bloco B, 1º andar, Divisão de Atendimento ao Proponente/SEFIC, onde será disponibilizado, das 8h às 18h de segunda a sexta-feira (exceto feriados), computador para inscrição.

É possível anexar documentos comprobatórios do currículo, ou outros tipos de material (artigos publicados, portifólio etc) que o candidato julgar relevantes para a análise. Podem se inscrever pessoas físicas, grupos ou entidades culturais privadas e sem finalidade lucrativa, cujas candidaturas serão divididas em solicitações de grupo e solicitações individuais, que concorrerão separadamente. Apenas no caso destas últimas poderão ser apresentados pedidos com vistas a residência artística ou curso de capacitação de profissionais da cultura.

Mudanças e critérios - No tocante aos critérios para atribuição de pontos, houve algumas modificações em relação ao Edital nº 1/2009. No intuito de fortalecer a disseminação das ações culturais no interior do país, além da bonificação de 0,5 às candidaturas originárias de fora de Brasília e das capitais estaduais, também dela se beneficiarão aquelas destinadas a eventos a se realizarem fora das referidas localidades.
Em observância às políticas públicas do Governo Federal, também receberão um bônus de 0,5 as encaminhadas por comunidades tradicionais, incluindo: povos indígenas, quilombolas, ciganos, povos de terreiro, irmandades de negros, agricultores tradicionais, pescadores artesanais, caiçaras, faxinalenses, pantaneiros, quebradeiras de coco babaçu, marisqueiras, caranguejeiras, ribeirinhos, agroextrativistas, seringueiros, fundos de pasto, dentre outros grupos.

A bonificação de um ponto aquelas destinadas à participação em eventos a ocorrerem na América do Sul ou na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) permanecerá.

Os critérios a serem considerados na avaliação serão os seguintes: relevância do evento e da instituição promotora para a área cultural da atividade desenvolvida; adequação do histórico de atuação do candidato ao trabalho ou estudo proposto; relevância da atividade a ser realizada/desenvolvida para a área cultural em que se insere; caráter inovador ou experimental da atividade; contribuição para a difusão e a valorização das expressões culturais brasileiras; intercâmbio e apropriação de tecnologias e conhecimento e troca de experiência. Cada item vale até 5 pontos, e a pontuação mínima para classificação é 16.

http://www.cultura.gov.br/site/2009/10/01/programa-de-intercambio-e-difusao-cultural-edital-n%C2%BA-22009-2/

Nossa Primeira Publicação!!!

http://www.funarte.gov.br/novafunarte/funarte/noticia.csp?NoticiaId=1047&CSPCHD=000100020001439x1cON002801899738

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Inscrições para patrocínio cultural da Oi começam dia 15

A partir de 15 de outubro estão abertas as inscrições para o edital de seleção dos projetos culturais que serão patrocinados pela empresa de telefonia Oi no próximo ano. Os recursos serão destinados para o financiamento, total ou parcial, de projetos aprovados em leis de incentivo à cultura.

As inscrições para o processo de seleção estarão disponíveis até 16 de novembro por meio do site www.oifuturo.org.br ou www.oi.com.br . Artistas e produtores culturais podem concorrer com mais de um projeto.

O programa incentiva iniciativas que valorizem talentos regionais e que possibilitem o intercâmbio de idéias e a convergência entre arte e tecnologia. Também são considerados omo aspectos relevantes a capacidade de formação de novas platéias, a criação de novas oportunidades de trabalho e de formação de artistas.

http://oglobo.globo.com/cultura/mat/2009/10/14/inscricoes-para-patrocinio-cultural-da-oi-comecam-dia-15-768051094.asp

Câmara aprova vale-cultura e inclui aposentados


O plenário da Câmara dos Deputados aprovou na quarta-feira a criação do vale-cultura, programa que garantirá um vale de R$ 50 mensais ao trabalhador que recebe até cinco salários mínimos.

O vale servirá para incentivar a frequência a cinemas, teatros, shows e museus, além da aquisição de livros. Os funcionários públicos federais também serão contemplados: o texto prevê que estados e municípios poderão conceder esse direito a seus servidores.

A oposição conseguiu incluir no projeto um artigo que prevê a concessão do vale-cultura também para aposentados - proposta que não tem o apoio do governo.

A empresa que aderir ao Programa Cultura do Trabalhador terá benefícios fiscais. Segundo a relatora do projeto, deputada Manuela D Ávila (PCdoB-RS), estima-se que o programa injetará R$ 3 bilhões por ano no setor cultural. O trabalhador terá descontado de seu salário o máximo de 10% do valor do vale-cultura (no máximo R$ 5).

No caso dos aposentados, o benefício será de R$ 30 por mês para quem recebe até cinco salários mínimos. Manuela calcula que, com os aposentados, o programa injetaria mais de R$ 4 bilhões por ano na cultura, chegando a um total de R$ 7 bilhões. Ela disse, porém, que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva vetará esse artigo, caso seja aprovado também no Senado, onde o projeto vai tramitar agora. É que caberia ao INSS, que não pode se beneficiar da isenção fiscal, pagar esses R$ 4 bilhões.

O governo resistiu à ideia de conceder o vale-cultura aos aposentados. A emenda foi apresentada pelo líder do PPS, deputado Fernando Coruja (SC), e contou inicialmente com apoio de DEM e PSDB. No momento de votar o recurso para a inclusão desta emenda na discussão, até deputados governistas se juntaram à oposição. O placar foi de 201 a 133 a favor dos aposentados.

Na votação da emenda, aprovada simbolicamente, o PT votou a favor dos aposentados. Em plenário, o deputado Ricardo Barros (PP-PR), vice-líder do governo, também anunciou que Lula vetará o artigo.

Durante os debates, oposição e governo duelaram. O líder do PSDB, José Aníbal (SP), disse que o governo Lula não gosta de aposentados e, por isso, vetou, a princípio, a inclusão dessa categoria como beneficiária do vale-cultura. O líder do PT, Cândido Vaccarezza (SP), reagiu e lembrou uma frase atribuída ao ex-presidente Fernando Henrique (PSDB), que associou aposentados precoces a vagabundos.

Os papéis se inverteram quando foi votado, e aprovado, o destaque da relatora que incluía servidores públicos estaduais e municipais (e do Distrito Federal) como beneficiários. A oposição criticou.

Num último lance, o DEM tentou aprovar uma emenda que pretendia excluir do projeto a proibição de pagar o vale-cultura em dinheiro. Mas a oposição foi derrotada.

http://oglobo.globo.com/cultura/mat/2009/10/15/camara-aprova-vale-cultura-inclui-aposentados-768062295.asp


sábado, 14 de fevereiro de 2009

Bonito de se ver:

http://festival.elefantasia.org/FLASH_GALLERY/index.html

A TRAÇOS AÉREOS presente na Casa de Festas Infantis Peticolá - 710 norte - DF
















Circo tem palhaço, trapezista e animais

Nos últimos anos os Circos vem sendo vítimas de uma perseguição que se baseia em mentiras e preconceitos. Criaram até um slogan que à primeira vista causa impacto: “circo legal não tem animal”. Mas esta frase de efeito é uma contradição em termos, pois o espetáculo de Circo sempre teve animais. Os acrobatas da Serra da Capivara, há mais de 12.000 anos atrás já conviviam e brincavam com animais domesticados. O Circo moderno, criado em 1766 pelo sargento inglês Philipe Astley, era um espetáculo equestre a que se somavam os números dos saltimbancos dos teatros das feiras. O termo Circo de Cavalinhos, que muito se utilizou no Brasil até os anos 50 do século passado, explicitava a diferença entre o circo à moda Astley e os Circos de Touradas que herdamos dos portugueses. No século XIX era comum que cada companhia caprichasse no nome, deixando bem claro o que a distinta platéia veria: Companhia de Pantomimas Equestres, Acrobática e Zoológica Fulano de Tal era um nome grande mas que não deixava dúvidas, o público veria um espetáculo com cavalos, animais exóticos, acrobacia e palhaçada. O Brasil sempre foi um grande país circense e até hoje o Circo é o espetáculo ao vivo que atinge o maior número de espectadores e o único presente em todos os rincões deste país. Mas eis que, em nome de uma causa justa, querem, confundindo alhos com bugalhos, acabar com a tradição e a mais bela diversão. Sem nenhuma preocupação com a Verdade e com a Justiça acusam toda uma classe de crueldade e deixam famílias sem trabalho e sem seus animais, retirados à força de seus amados donos com quem, muitas vezes, convivem desde que nasceram. Animais devem ser bem tratados sempre! Tem que ser bem tratados na casa de cada ser humano que resolver ter um pet, seja gato, cachorro ou hamster. Elefantes de carga na Índia, camelos transportando caravanas nos desertos, tigres nos Hotéis de Las Vegas, ou nos parques e zoológicos públicos e privados tem que ser protegidos, bem tratados e a população tem que ter o direito de com eles conviver em segurança.

A lei brasileira protege animais de maus tratos e a jurisprudência tem sido clara em considerar que o termo se refere à alimentação, higiene e espaço adequados. Enfim o que todos nós, humanos ou não, deveríamos ter sempre: casa, comida, saúde e carinho! Os animais em circos tem tudo isso. Nem sempre é verdade. Ao longo da história vamos encontrar circos que possuem animais mas que não tem as condições adequadas para mantê-los. Podemos também encontrar pessoas incompetentes e que em algum momento não dão aos animais sob a sua responsabilidade o carinho e o tratamento adequado. Mas esse não é um privilégio do circo. Por que então essa gritaria histérica contra o circo? É preciso esclarecer que nenhum animal de circo foi retirado de seu habitat natural. Todos tem que ser registrados no IBAMA e a cada mudança de praça é preciso retirar um documento autorizando o transporte assinado por um veterinário responsável pela saúde dos animais. Mas quando alguém resolve contratar um pobre coitado para espancar um camelo, filmar a agressão e passá-la em rede nacional nada disso adianta: o mal está feito e o criminoso não é quem filmou, quem pagou, ou quem bateu, mas sim o dono do circo que não sabia de nada e da noite para o dia se transformou num “monstro cruel” recebendo ameaças e processos. A boa notícia é o que Circo Brasileiro hoje está unido em defesa da bela tradição dos animais no picadeiro. Com o apoio da Federação Internacional do Circo estamos preparando propostas para que o IBAMA possa finalmente lançar um decreto em que se determine as condições de alojamento, transporte e apresentação de cada um dos diferentes tipos de animais que se apresentam nos espetáculos circenses.
Em breve a lei do Minc será revogada. Por ela não é possível contar com a presença de um cachorrinho em cena, nem de um coelho ser tirado da cartola. A lei fere principios constitucionais legislando sobre materia que compete ao Congresso ao impedir o exercício de profissão regulamentada e desrespeita o acordo da Unesco sobre a Diversidade Cultural. Com o apoio e a fiscalização do IBAMA os circenses brasileiros poderão trabalhar sem sofrer ameaças e humilhações movidas por ódio, interesses escusos e ignorância. Circo é muito bom. Com animais saudáveis e legalizados é muito melhor.
Alice Viveiros de Castro

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Nós na TV!

Estaremos na TV, nessa sexta e sábado, 30 e 31 de janeiro, às 02h30 e às 07h00 no Canal RBI de Televisão, canal 17 (TV aberta) e 25 (NET).